domingo, 15 de abril de 2012

Fisicamente ele consegue ser perfeito, o que é estranho. Tem cabelos com mexas loiras, usa calças pretas, como eu tanto gosto. Os seus olhos são verdes, mas uma pessoa só consegue ver isso quando o beija. Tem uns olhos grandes, e uns lábios quase perfeitos. tem uma estrutura média, e um estilo completamente diferente do meu. A sua voz é estranha. E quando ele olhava fixadamente para mim, quando ele olhava fixadamente para mim era perfeito, e o meu coração quase que parava. Psicologicamente, bem, psicologicamente nem sei ao certo o que deva dizer, a forma como ele diz amar e brinca com os sentimentos das outras pessoas, a frieza com que o faz acho que o descrevem psicologicamente. É ciumento, e eu sei disso. Adorava fazer-lhe ciumes só para ele me dizer que eu era só dele. Consegue, ou conseguia ser o melhor namorado do mundo. Gostava de beijos no pescoço, ainda mais do que eu. E eu, eu fui uma parva ao tê-lo deixado partir.

terça-feira, 3 de abril de 2012

É incrível como de um momento para o outro conseguimos ver todos os nossos sonhos, memórias e recordações, simplesmente reduzidas a nada. A cinzas, sim, cinzas. Hoje trago comigo a dor que à meses não trazia. Pior que todas as outras, a frustração de nunca lhe ter conseguido dar aquilo que ela lhe está a dar. O amor que já foi meu, que ele já me ofereceu, a ser partilhado com outra pessoa. E eu aqui, a ler as suas noticias, a lamentar-me pelo falhanço daquilo que tínhamos, com o rosto desfeito em lágrimas, com uma imensa vontade de gritar, mesmo que isso me seja impossível, pois neste momento, neste momento é-me completamente impossível citar uma única palavra.
Quero desaparecer, agora mais que nunca, quero voar para longe daqui e ficar sozinha, ou então encontrar alguém que me perceba, que me possa retribuir tudo aquilo que tenho para lhe oferecer.
Porque um dia, um dia irei tirar este P do meu coração.