domingo, 29 de janeiro de 2012

Sabes, eu sempre adorei receber noticias da tua parte, mas sinceramente, as noticias que tenho tido a teu respeito matam-me com o passar dos dias, espero que não estejas a sofrer tanto quanto eu, não te desejo isso. Odeio-te. Ah... Espera, a quem é que eu estou a querer enganar?! Adoro-te.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Provavelmente, sei que me irei arrepender quando terminar de te escrever esta carta, mas tinha que o fazer, talvez para me sentir bem comigo mesma. Esta tua ausência está a dar comigo em doida a cada dia que passa, é como se tivesse perdido uma grande parte de mim, a parte que mais estimava, a parte mais bonita que comigo trazia, todos os dias. Depois da tua partida, os meus dias felizes têm sido escassos, talvez me tenha habituado a irradiar felicidade, mesmo quando não a tinha, na verdade, foste tu quem me ensinou isso! Reencontrar a ternura do teu olhar, que mesmo que nunca te tenha dito, sempre me consolou quando tudo me caía em cima, seria fantástico, aliás, a melhor coisa que me poderia acontecer. O meu maior erro foi de veras ter-me entregado a ti, ter-me habituado ao facto de te ter, todos os dias da minha vida, incondicionalmente. Gostava realmente de receber noticias tuas, e não por terceiros, como tenho vindo a receber. Tenho saudades tuas, mas também, isso é a coisa que mais tenho dito nestes últimos meses da minha curta estadia neste mundo.