quarta-feira, 29 de junho de 2011



Haverá sempre uma parte de ti em mim, e essa ninguém poderá apagar, podes voltar a viver tudo aquilo que vivemos com outra pessoa, poderás, mas nunca ninguém irá apagar aquilo que tivemos, podes fazer outra rapariga tão feliz quanto me fizeste a mim, mas só te pesso que nunca te esqueças de nós, porque eu irei fazer o mesmo. Tal como irei guardar todas as recordações que tenho, pois agora são a única coisa que me resta, que pena, um dia talvez, poderei esquecer tudo isto e pensar que não passaste de só mais um, que pena, nem a mim me consigo enganar que um dia te esquecerei, porque eu te adoro e sempre te adorarei por mais coisas que se metam no meio.

terça-feira, 28 de junho de 2011

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Caro P, já se passaram algumas semanas desde a última vez que te vi, e para ser sincera estou cheia de saudades! Mas... Hoje, tomei uma decisão à qual não irei voltar atrás, durante estes três meses vou conhecer novas pessoas, fazer novas amizades e quem sabe talvez conhecer e ter um amor de verão, amor esse passageiro, sim, desta vez não quero ter compromissos, quero apenas divertir-me e afastar-te do meu pensamento, e acredita que já faltou mais, impressionante esta minha resistência em apaixonar-me, gosto de mais de ti para tal coisa, engraçado como no inicio disto tudo prometeste não me fazer sofrer acontecesse o que acontecesse, estranho, como as coisas mudaram, sim, eu sei que me pediste desculpa, mas para que isso serve? Não me serve de nada, são somente desculpas, eu amei-te e acredita que ao contrário de ti quando te dizia que te amava, eu amava mesmo, ao contrário de ti que me dizias palavras bonitas às quais sabias que me deixavam a pensar, dizias querer ficar comigo para sempre, palavras em vão que nunca passaram de mentiras.
Ah, com isto tudo esqueci-me de dizer o que realmente me levou ao gastar os últimos pedaços de tinta da minha caneta, vou fazer de tudo para te afastar dos meus pensamentos, e um dia irei conseguir dizer que não passaste do meu grande amor, amor esse que eu hoje dou por terminado, e com ele todas as desilusões e frustrações que um dia tive.

Até um dia, se alguma vez nos voltarmos a encontrar, cheers*

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Hoje, entrei no msn coisa que já não fazia à muito tempo, deparei-me com uma situação que à muito não me deparava, parece que estavas on, estranho, visto que a última vez que entrei no msn namorávamos, e foi quando me disseste que eu era só tua, por alguns segundos quase que caí na tentação te meter conversa contigo, de simplesmente dizer olá, de cair na tentação. Abri a janelinha da conversa contigo e estive cerca de quinze minutos a olhar para a tua fotografia, e a pensar se deveria dizer alguma coisa ou simplesmente deixar a janelinha fechada como todas as outras, pensei, e achei melhor não dizer nada, guardar toda a simpatia que tinha para te oferecer, e entregar-te a minha arrogância, que pena. Um dia talvez, poderei...

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Na foto: Sara Silva7
Porque será que cada vez que abro a minha rede social facebook procuro por receber uma actualização tua e nunca encontro? Que cruel! Poderias mudar um minimamente as coisas e fazer-te sorrir uma vez!

A minha noite até correu bem mas...


É impressionante como na noite de ontem e no inicio da manhã de hoje, teres sido a única pessoa à qual eu não encontrei, eu bem que procurei pelo teu olhar numa tentativa desesperada, esperei.

quarta-feira, 22 de junho de 2011


Está uma noite fantástica e hoje é o arraial na minha escola, isto é: irei estar com os meus amigos todos, depois dou notícias e respondo aos comentários cheers*

domingo, 19 de junho de 2011

Ensinaste-me a amar e a ser amada, aprendi a ouvir o bater do teu coração junto ao meu, deixei de ouvir todos os que me rodeavam, os meus ouvidos ficaram surdos de tanto ouvir os teus gritos, entreguei-me ao silêncio da noite, chorei noites sem parar, desesperei a olhar para o meu telemóvel à espera de uma mensagem tua, olhei diante o teu rosto à procura de um sinal, sem nada em troca, os meus olhos estão fechados, os meus lábios intactos, olho diante a minha cama, e só vejo fotos tuas, minhas, nossas, recordações, cartas escritas que agora foram em vão.
Sim, eu amei-te sem nunca esperar nada em troca, fui amada, e fui desejada, mas também, e agora ao olhar para trás, vejo que de nada serviu!
Estou a escrever com a mesma caneta que te escrevi pela primeira vez quando tudo começou, quando me fazias feliz, e me retribuías todo este amor, entrego-me ao som do mar, e à frieza de cada onda, que se lixe para que direcção me irá levar, pois tenho a certeza que nenhuma delas me trará até ti!
Sebes que te adoro, mas por vezes existem alturas em que temos que perder até mesmo aquilo que mais gostamos, neste caso, eu só te perdi a ti, que para dizer a verdade era tudo aquilo que tinha de melhor, engraçado, tu dizias-me o mesmo, que pena já não o dizeres, que cruel amar-te tanto e estar tão longe de ti!
Era para ti que escrevia, era por ti que sorria, e era para ti todo este amor que tinha, pois acredita que tu eras o único ser capaz de me provocar estas borboletas que sentia na barriga, podem-me chamar parva, podem-me chamar maluca, podem chamar-me apaixonada, porque para dizer a verdade, estou a lixar-me para o que os outros pensam!

Love, Sara Silva7

sábado, 18 de junho de 2011

Dear love (3)


Para visualizares a primeira parte clica aqui, para visualizares a segunda parte clica aqui.
No dia seguinte, ela, levantou-se com o seu cabelo despenteado e a camisa de dormir, vestiu-se, lavou os dentes e penteou-se, passou pela cozinha e tirou uma mação de seguida abriu a porta de casa e saiu, não tinha rumo certo, apenas precisava de sair, trazia a mão na cabeça devido às imensas dores que tinha na cabeça, foi até ao bosque, fechou os olhos e gritou, precisava de libertar tudo aquilo que sentia.
Ele, acordou cedo, não conseguia dormir, saiu de casa, e foi para a praia correr, o seu rosto estava triste, e os seus lábios estavam pálidos, frios como o gelo, e o seu corpo brilhava sobre o reflexo do sol, normalmente iria ter com os seus amigos para mais um dos seus jogos de basquetebol, mas hoje, não estava com vontade, estranho, simplesmente precisava de estar sozinho, meteu os seus dois fones nos ouvidos, e começou a correr.
As aulas começavam no dia seguinte, e isso era de certo uma coisa das quais não lhes saía da cabeça...

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Estou de fériasssssssss!





Hoje, dei por concluído mais um ano lectivo, e para que esta tarde ficasse para sempre guardada nas nossas memórias, em mais uma das quantas do nosso 7º ano, fui com os meus amigos e colegas almoçar piza no parque mais próximo (não gosto muito de piza, mas desta vez foi diferente), divertimos-nos até não puder mais, e para que não fosse só fomos até aos carrinhos de choque, dançámos, saltamos, pulámos, cantámos, e principalmente divertimos-nos como já tinha proferido em palavras anteriores, talvez tenha sido neste ano que tenha descoberto os meus melhores amigos, talvez, o que é certo é que foi dos melhores anos de sempre! Fiz amizades às quais nunca pensei fazer, apaixonei-me por completo, e namorei com o tal e passei o ano, YAY!
Para o ano? Para o ano, eu quero voltar a ficar com a minha turma, voltar para o tal e passar o ano, que mais posso eu querer?
Ao final, quando nos fomos embora demos por volta de cinco abraços e beijinhos, engraçado porque a cada abraço que dava, voltava sempre para trás para o repetir, e pronto, dei por concluído mais um ano lectivo, e tenho desde já informar que estou de férias!YAY!
Irei fazer uma lista com tudo o que irei fazer estas férias, para no final do verão riscar cada coisa que fiz.
Ah, e boas férias para todos meus lindos*

terça-feira, 14 de junho de 2011

Segunda-feira, 13 de Junho de 2011,
Hoje poderia estar suficientemente feliz ao ponto de escrever um texto grande e com palavras bonitas, poderia. O que é certo é que o meu dia, foi suficientemente bom ao ponto de tal loucura, mas como todos os dias, e nesta sala onde escrevo, aconteceu uma coisa que me estragou o dia, passo a explicar: Eu estava feliz, numa aula de artes (que são as que mais gosto) até que numa conversa contigo por telemóvel me dizes estar mal, rapidamente tentai saber o que se passava, não por querer saber como qualquer pessoa quereria, somente porque me disseste que não estavas bem, mas sabes bem que és das poucas pessoas às quais eu sofro sabendo que está mal.
Esta é a última semana de aulas, e sei que é bastante difícil de te encontrar nas férias, isto é, vamos estar separados, detesto estar longe de ti, e agora que tinha como última oportunidade para te ver, para estar contigo, para voltar a sentir o teu perfume nem que seja pela última vez, e os teus doces beijos...
Bolas, o que estou a dizer? Eu nunca mais te vou ver, porque agora que pensei que te iria voltar a ver por muito pouco tempo, tu ficas-te mal, o que te impediu de voltar à escola nestes últimos dias, que cruel te perder desta forma! Nem sabes o quão mal me sinto ao saber que os próximos três meses vão ser passados longe de ti, sim, eu sei que te irei perder e provavelmente estas férias irás conhecer pessoas novas tal como eu, mas não consigo simplesmente pensar no simples facto de me afastar de ti, de te ver com outras pessoas, não consigo, até porque, sabendo que já foste meu, é dificíl imaginar que faças outras raparigas tão felizes como a mim me fizeste, as satisfaças como me satisfazias a mim, sei que provavelmente não pensarás nisto, mas acredita que eu não penso noutra coisa.
Bem, agora só me resta esperar que sejas muito feliz, e que encontres o teu caminho... Porque eu vou fazer os possíveis para encontrar o meu, e olha, se alguma vez ouvires proferir o meu nome, guarda para ti, tudo aquilo que passámos, todos os beijos, tudo, porque eu? Porque eu irei fazer o mesmo, irei guardar para mim todas as palavras proferidas, todos os beijos, e acredita que se um dia me pedirem para falar de ti, irei ter tanto por contar que nem tu próprio imaginas... Gostaria que um dia, isto tudo que tivemos se voltasse a repetir, gostava que voltasses a fazer de mim a rapariga mais feliz do mundo, e acredita, que nunca me irei esquecer da data em que te declaras-te a mim.... E quem sabe que se um dia nos voltaremos encontrar, um dia talvez...
Com amor,
Sara Silva7

domingo, 12 de junho de 2011

Dear love (2)

Para visualizares a primeira parte carrega aqui.

As férias tinham agora começado, ela numa noite calorosa, calçou os seus sapatos de salto alto, e meteu o seu batom vermelho, e foi sair com os seus amigos, não tinha rumo certo, divertiu-se, dançou até não puder mais, por volta das cinco da manhã andou a passear pelas ruas agarrada a um dos seus amigos, por já não se aguentar em pé, trazia uma garrafa de vodka na mão, e na outra os seus sapatos de salto alto, durante a noite, trocou beijos com um rapaz que estava na festa, ao qual no dia seguinte já nem sabia quem era, acordou e sentiu que o mundo lhe caíra agora em cima (pensando- Porque será que fiz isto? Eu não ganhei nada ao fazer o que fiz, dói-me a cabeça e troquei beijos com um rapaz ao qual nem sei o nome, e que nem sequer senti nada) pensando isto, deitou a cabeça por debaixo da almofada e fechou os olhos.
Ele tinha agora voltado de Espanha onde tinha perdido um jogo de basket (pensando- porque será que isto me está a acontecer? Eu nunca estive realmente apaixonado por ninguém, ainda para mais por uma miúda mais nova, ela é completamente diferente de mim, não temos nada em comum, mas mesmo assim ela não me sai da cabeça).
Continua...

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Hoje recebi um comentário anónimo que me fez a proposta de continuar a escrever uma história que à muito tinha escrito, eu estive a pensar e vou continuar pois já não é a primeira pessoa que me pede, não sei quando, mas irei continuar a escrever a tão esperada continuação da história de amor até lá, podem ver a primeira parte aqui.
With love, Cheers*

ATENÇÃO: Criei hoje um fotolog para quem o quiser visualizar é só carregar aqui.


Tenho uma folha de papel em branco, sem saber o que citar, sem motivo aparente, apetece-me escrever, sei que no final a vou assinar com todo o amor que tenho, mas nem sei o que escrever! O teu nome talvez, não isso escrevo todos os dias no meu pulso, na primeira aula logo pela manhã, e ao soar do primeiro toque, já tenho o teu nome marcado, cravado nos meus pulsos, com caneta de tinta azul.

Bem o que é certo é que qualquer pessoa suficientemente esperta escreveria como está o tempo talvez ou então escreveria somente sobre o seu dia-a-dia, que pena, não me considero suficientemente esperta... Nem tenciono sê-lo, bem, agora antes de dar uso à minha caneta acho que encontrei o tema perfeito!

Sim, hoje só mesmo por dizer que estou feliz, ele mandou-me uma mensagem logo pela manhã quando no meu relógio soava um quarto para as dez, ao princípio, achei a mensagem secante, e pensei se eu desceria suficientemente baixo ao ponto de responder a um simples olá, sim, porque ele (sendo o meu príncipe e o rapaz a quem entrego o meu coração) poderia ter tido um pouco mais de imaginação, e me mandar uma mensagem com mais de três palavras! Incrível como até mesmo a criticá-lo consegui escrever mais de três palavras, sim, deve ser essa a nossa diferença! Contudo, fiquei feliz por outro lado, porque já não falávamos à um dia, sim, no meio de um diálogo por telemóvel, a nossa conversa mudou bastante, falámos de diferentes assuntos, mas sabes quando percebi que já não tinhas nada para me dizer? Quando me falas-te do tempo, ai sim percebi, mas até achei piada, porque em todas as mensagens me conseguias meter um sorriso no rosto, até que me começas-te a mostrar os teus ciúmes, que mais uma vez devo citar que para além de me terem deixado completamente chateada, até me fizeram relembrar os tempos em que namorávamos, é pena agora não termos mais nada, mais estou a habituar-me a isso visto que já conseguimos ter conversas normais, mas sinto falta do rapaz ao qual me apaixonei, sinto que o perdi, e no lugar dele, no seu belo rosto, nos seus cabelos com mexas loiras, no seu corpo que brilhava diante o sol, ficou um amigo, sim, porque agora não o posso dizer que somos nada de mais...

E tudo isto porquê? Porque eu te adoro com todas as letras, todos os adjectivos, e com todos os defeitos que tenhas chapados na cara!

Que bom, a inspiração voltou, sim, deve ter sido porque ele acabou de me mandar uma mensagem de boa noite.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Será que ainda te lembras de quando era assim? Será que também te lamentas tantas vezes quanto eu? Eis a questão.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

INSPIRAÇÃO, PRECISA-SE!

Na foto: Sara Silva7
Sempre tive uma certa curiosidade em saber o que paira no teu pensamento cada vez que passas por mim, e me comprimentos, com um simples ''olá, tudo bem?'' com toda a frieza do mundo, que é a única coisa que me tens oferecido nestes últimos dias, que pena não teres mais para me oferecer, que cruel não te puder mostrar o quanto te amo, que tédio! De facto cada vez que tento proferir qualquer tipo de palavra ou ter qualquer tipo de diálogo contigo, me viras as costas e vais embora, com toda essa frieza, uns dizem que ainda é amor, mas acredita que mesmo que for amor, então concerteza que não o sabes demonstrar, será que algum dia vou perceber o que paira nos teus pensamentos ao deitar, ao acordar? De certo modo gostaria de saber talvez fosse a resposta a todos estes porquês.



Com amor,
Sara Silva7

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Hoje, nesta sala onde me sento, onde escrevo a história do meu romance não tenho nada de novo para citar, os meus amigos estão contentes, os meus pais estão óptimos, e as minhas notas também estão no seu devido lugar, que pena só eu não puder partilhar a minha felicidade com todos eles... Apaixonei-me sem dúvida pelo impossível, em tempos, diria que nada é impossível, mas sempre me disseram que há sempre uma primeira vez para tudo, e está na vez de ser eu mesma a seder e a dizer que me apaixonei pelo impossível! Por mero acaso o disse e de seguida o meu telemóvel tocou com uma mensagem do meu impossível, estarei eu a sonhar? Ou o destino foi de veras bom para mim? O que é certo é que voltei a estar feliz! Hein!

domingo, 5 de junho de 2011

Durante a tarde de hoje, o meu pensamento esteve concentrado em ti, e por momentos me isolei de tudo o que estava à minha volta, estranho, liguei à minha melhor amiga, e ela foi ter comigo, fomos até à praia, incrível como uma melhor amiga percebe sempre quando estamos mal e sabe sempre a melhor maneira de nos ajudar, mesmo sem nos perguntar o que se passa (que seria o que qualquer outra pessoa iria perguntar), por algum motivo as consideramos melhores amigas. Hoje, pensei que o meu dia estivesse perdido, mas a minha melhor amiga, tornou um dia que provavelmente iria ser de plena frustração, num dia fantástico.
Depois de uma fantástica tarde de praia chegámos a casa, e fizemos uns crepes com chocolate como à muito não comia, e de seguida fomos fazer uns origamis, e visitar a nossa rede social facebook, a minha tarde tornou-se magnifica! E parecendo que não, já não me divertia assim à muito, e tu? E tu meu caro amor, pela primeira vez em muito tempo, acho que passei uma tarde sem pensar em ti, e para que conste, estava a precisar de me divertir!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Relembro-me de quando me proferias as tuas doces e sensatas palavras ao ouvido, quando me prometias fazer feliz, da simplicidade do teu olhar fixado em mim, de quando me dizias que ias fazer de tudo para nunca me perder, de quando me mandavas mensagens ao soar da meia noite simplesmente a dizer para dormir bem e para sonhar contigo, cada vez que o fazias não conseguia dormir, pois passava o resto da noite a sorrir, a olhar para fotografias tuas por baixo dos meus lençóis, acho que sempre nos consideramos felizes juntos, pois todo o amor, e todas as promessas que tínhamos eram sinceras, do frio que tinha na barriga quando pensava em ti, nos nossos beijos, do quanto eu te queria ao meu lado, e do quanto eu já precisava de ti, quando nos conhecemos as coisas eram tão diferentes, nunca pensei vir a apaixonar-me por ti, até que quando dei por mim necessitava de receber uma mensagem tua, e mais tarde já estava a namorar contigo, já me tinha entregado a ti, aos teus braços,e acredita que à muito eu nunca tinha pensado vir a apaixonar-me tão facilmente, mas tu mostraste-me que amar não era um pecado, e que era um sentimento simplesmente normal, mas que só quem o conquistava o merecia, é o que ainda estou a fazer, ainda estou a lutar por ti e a tentar voltar a conquistar este amor que tínhamos, pois agora é a única coisa que me resta, e acredita que vais e serás sempre aquele que eu quererei, e por mais pessoas que se metam no meio, nunca, mas mesmo nunca ninguém irá mudar isso, talvez um dia eu amarei outro alguém, outra pessoa, não me imagino a deixar de te querer, a deixar de querer sentir o teu perfume, e  deixar de necessitar o teu corpo sobre o meu, os teus lábios que por si mesmos são doces como as palavras que sempre me proferis-te, por mais coisas que possas fazer e que me possam magoar, eu não consigo apagar-te simplesmente da minha vida, deixar de te apoiar, porque acredita que é o que mais tenho feito, eu sei quem tu és, e sei daquilo que fazes, do quanto para ti é fácil brincar com as raparigas, com toda a frieza como se fossem simplesmente bonecas às quais tu brincas e depois deitas fora, sem amor, sem nada, mas também sei que por outro lado eu não fui uma dessas, como tu próprio me proferis-te, comigo tu não brincas-te, e se realmente alguma vez me viste como uma das tuas bonecas, sei que não fui uma qualquer, porque sei todo o amor, que tinhas por mim, e acredita que nunca duvidei, sabes uma coisa? É simplesmente pelo facto de saber que fui mais que uma simples boneca na tua vida que me faz lutar por ti, por mais que me magoe, tudo o que me dizem a teu respeito, eu ainda acredito que um dia, tu próprio me digas isso tudo, provavelmente seria uma coisa à qual eu não me magoaria, porque sei que me irias dar uma resposta, e explicar todos esses porquês...

Com amor,
A rapariga à qual chamas-te de amor e agora chamas simplesmente de Sarinha.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Após um mês a lamentar-me de como isto tudo tinha acabado, e do quão cruel fui, tu voltas-te a falar comigo, não digo que não gostei porque estaria a mentir, simplesmente achei estranho.
Já reparas-te como por vezes a vida nos surpreende? Agora que finalmente tinha tomado o partido de continuar com o meu rumo, deixando-te para trás e sarar a mágoa de te ter deixado, tu surpreendeste-me, numa súbita conversa por mero acaso, confessei-te que ainda estava apaixonada, não que não o queira ter dito, mas aconteceu...

Provavelmente, foi uma coisa à qual não me arrependi, pois depois de te ter proferido tais palavras, as coisas mudaram de uma maneira tão inesperada, provavelmente, para melhor, sussurraste-me ao ouvido e acredita que nunca tais palavras me soaram melhor, pois estas foram proferidas por ti.

E sabes que mais? Nunca me deu tanto prazer escrever para alguém como me dá escrever para ti, e eu adoro-te!